Plano de armazenagem da Conab não engrena

Em maio do ano passado, O Plano de Modernização e Ampliação de Armazenagem da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Lançado pela presidente Dilma Rousseff, em maio de 2013, não engrenou.

O tesouro nacional liberou apenas 1,5 milhão dos R$ 225 milhões previsto para este ano, segundo o Orçamento Federal. O dinheiro seria para a contratação de projetos e obras de construção e reforma de 90 armazéns entre 2014 e 2015.

"O principal problema que tivemos até agora foi um atraso de mais de 150 dias nas licitações de projetos executivos das obras e estudos preliminares", informou ao Valor Econômico o presidente da Conab, Rubens Rodrigues. Segundo ele, os recursos que deveriam ser liberados pelo Tesouro ainda não estão fazendo falta porque o Banco do Brasil, responsável por contratar as empresas que vão tocar os projetos e obras, atrasou a primeira licitação. "Mas, assim que contratarmos os serviços, vamos precisar desses recursos".

O presidente da Conab minimizou o atraso e afirmou que, em dezembro, o Banco do Brasil deverá licitar as empresas para tocar as primeiras obras. "Nossa missão é concluir o plano até o fim de 2015". Está marcada para o dia 12 uma reunião no Planalto entre Conab e Casa Civil para discutir o andamento do programa.

A meta do governo com o plano é ampliar a rede de estoques públicos da Conab e elevar a capacidade total em 800 mil toneladas, voltada basicamente para milho, arroz, trigo e feijão. Hoje, a capacidade é de 2 milhões de toneladas. Para isso, o Planalto prometeu investir na construção de dez armazéns e na reforma ou ampliação de 80.

A previsão inicial era de que fossem contratadas em 2014 pelo menos as construções de quatro novos armazéns - em Itaqui (MA), Luís Eduardo Magalhães (BA), Anápolis (GO) e Xanxerê (SC). Além disso, estavam previstas obras para reformar, modernizar ou ampliar 23 unidades de armazenagem em Mato Grosso e em oito Estados do Nordeste.

A prioridade do plano é a região Nordeste, onde pequenos produtores rurais frequentemente padecem com secas e problemas de abastecimento.

De acordo com informações da própria Conab, a capacidade estática de armazenagem de grãos no país, somada as estruturas pública e privada, é atualmente de 147 milhões de toneladas. E a estimativa para a próxima safra (2014/15) é que a colheita de grãos novamente supere 190 milhões de tonelada.

Fonte: Valor Econômico

Author:
LOG
Log CP

NOTÍCIAS RELACIONADAS